53ab40076d3c0decc22886d83c5b3755d831f7169f91b9c7ede0f841d02b6d7e.png

(11) 4817 - 3086

whatsapp (11) 9631 - 79789

O que é o LTCAT?

A sigla LTCAT significa Laudo Técnico das Condições Ambientais de Trabalho. Esse documento não possui uma data de validade, porém, vale lembrar que deve-se fazer atualizações sempre que houver mudanças no ambiente de trabalho.

A empresa que não mantiver os laudos atualizados com os agentes nocivos presentes nos ambientes de trabalho, ou que tiver algum documento que comprove que há exposição entrando em desacordo com o LTCAT, estará sujeita às penalidades previstas em lei.

 

Para que serve o LTCAT?

Esse laudo é um comprovante de que as atividades exercidas pelo trabalhador durante a permanência na empresa oferecem a ele algum tipo de risco ambiental. A partir desse documento, a Previdência Social determina se há ou não a necessidade de aposentadoria especial.

Se a Previdência Social determinar que aquele trabalhador tem direito à aposentadoria especial, a empresa deve recolher todas as alíquotas de contribuição destinadas ao financiamento do benefício.

 

O LTCAT é obrigatório?

A obrigatoriedade do Laudo Técnico das Condições Ambientais de Trabalho está prevista no Art. 58 da Lei nº 8.213/1991, que afirma que a empresa que não mantiver o documento atualizado com os agentes nocivos existentes no ambiente de trabalho de seus trabalhadores ou que emitir documento de comprovação de efetiva exposição em desacordo com o laudo estará sujeita à penalidade prevista no art. 133 desta Lei.

Porém, em alguns momentos, esta obrigatoriedade causa confusão:

O artigo 258, inciso IV da Instrução Normativa INSS/PRES nº 77/2015, dispõe que o documento que comprova o período de atividade especial para períodos laborados a partir de 1º de janeiro de 2004 é o PPP (Perfil Profissiográfico Previdenciário).

A IN 77 prevê ainda, que poderão ser aceitos em substituição ao LTCAT: PPRA, PGR, PCMAT e PCMSO.

Sobre as legislações previstas acima, é importante salientar que a hierarquia de lei prevê que uma instrução normativa não pode eliminar o que prevê uma lei.

Então, quando a IN 77 prevê que outros programas poderão substituí-lo, não significa que o LTCAT não é obrigatório, mas sim que os elementos deste laudo precisarão estar contemplados nestes programas para serem válidos.

Neste contexto, o art. 261 desta instrução prevê que o PPRA e demais programas só serão aceitos se todos os elementos constitutivos do LTCAT estiverem presentes. Em especial, possuir conclusão e ser assinado por engenheiro ou médico do trabalho.

Entenda como otimizar a comunicação de SST na sua empresa.

Outro ponto a ser observado é que o PPRA e demais programas são elaborados segundo a legislação trabalhista e o LTCAT segue a legislação previdenciária. Como são legislações em que a relação de riscos a serem avaliados não são iguais e os critérios e metodologias de avaliação possuem diferenças em alguns casos, ao se optar por possuir um documento único, poderão ocorrer erros na elaboração do PPP e consequente recolhimento de tributo diferenciado para aposentadoria especial.

 

Qual a importância do LTCAT para o eSocial?

No eSocial há o evento S-2240 que se refere aos riscos aos quais o trabalhador está exposto. Nesse evento também é registrado se esses riscos dão ao trabalhador o direito à aposentadoria especial. Todas essas informações são amparadas pelo LTCAT – daí a sua importância.

Destacamos que certos riscos tornam obrigatório o adicional de insalubridade, mas não de adicional para a aposentadoria especial, e vice-versa. O pagamento adicional será registrado no evento S-1200 – Remuneração do Trabalhador – ao ser informado o código referente à parcela, bem como a declaração referente ao pagamento do Financiamento da Aposentadoria Especial (FAE).